Cândido indica

12

Satã em Gorai

Isaac Bashevis Singer, Editora Perspectiva, 1975

Após Gorai ser desvatada por um ataque brutal de rebeldes guerreiros camponeses, os haidamaks, seus cidadãos se dissiparam. Anos depois, quando os poucos remanescentes retornam ao vilarejo, o clima de desolação passa a influenciar suas vidas. Assolados pela miséria, boatos extraordinários sobre um certo Messias chegam a Gorai como uma promessa de salvação, mas coisas estranhas acontecem. Antes uma pacata e regrada comunidade judaica, Gorai se torna um antro de pecados. Escrito originalmente em ídiche, o Prêmio Nobel Isaac Bashevis Singer cria uma história aterrorizante, envolvendo demônios, situações brutais e falsas esperanças. 

Homem invisível

Ralph Ellison, José Olympio, 2013

No início do século XX, após ser expulso de uma universidade para negros situada no sul dos Estados Unidos, o narrador-protagonista deste romance parte para Nova York. Desiludido, ao ver um casal de negros idosos ser despejado de sua residência, faz um discurso acalorado e, por sua habilidade retórica, é convidado a fazer parte de um grupo que trabalha “por um mundo melhor para todo o povo”. Aos poucos, porém, percebe que os problemas da sociedade não se resumem a brancos racistas, e que a hipocrisia e a mentira independem da cor de pele. Nessa empreitada existencialista, à la Memórias do subsolo, de Dostoievski, o norte-americano Ralph Ellison explora a condição humana sem deixar que ideologias baratas mascarem a realidade. 


34

Misto-quente

Charles Bukowski, L&PM, 2005

Conhecido do grande público por seus porres homéricos, brigas e envolvimento com mulheres, o personagem Henry Chinaski — alter ego de Charles Bukowski (1920-1994) — é apresentado em Misto-quente de outra maneira. Neste romance autobiográfico, o leitor acompanha os primeiros passos de Chinaski rumo à vida adulta: o primeiro contato com a bebida, a rejeição na escola, a turbulenta relação com o pai opressor e, principalmente, o despertar para a escrita. Atualmente, é possível encontrar no Brasil livros de todos os gêneros pelos quais Bukowski transitou (poesia, conto e romance). Misto-Quente é uma das possíveis portas de entrada para o peculiar universo de Charles Bukowski.

Apoetamentos

Rodney Caetano, Mondrongo, 2017

O professor e jornalista paranaense Rodney Caetano estreia na poesia com Apoetamentos, obra que reúne dezenas de poemas, todos com epígrafes. No texto de apresentação, Affonso Romano de Sant’Anna destaca que o fato de Caetano ser leitor de poesia é algo “original”. “Ao contrário do que ocorre na poesia brasileira, ele vai de um lado a outro, sem constrangimento. […] Ele se sente à vontade, com tremenda liberdade. É com essa liberdade que se põe a poetar, dono de seu nariz, livre.” Em “Epigrama”, Caetano escreve: “Sol vento/ chuva frio/ Curitiba é assim/ nem festa/ nem fastio.”

Recomendar esta página via e-mail: