Poemas | Dylan Thomas

No meu ofício ou arte sombria

(do livro Deaths and entrances, 1946)

Tradução: Gilmar Leal Santos

No meu ofício ou arte sombria
Exercida na calada da noite
Quando somente a lua se enfurece
E os amantes estiram-se na cama
Com todos os pesares em seus braços,
Eu trabalho sob uma luz que canta
Não por ambição ou pedaço de pão
Ou a ostentação e encantamento
Dos palcos de marfim
Mas pela pequena paga vinda
Do fundo de seus corações.

Não é para o homem orgulhoso despegado
Da lua furiosa que eu escrevo
Nestas páginas úmidas
Nem pelo monumental cânon morto
Com seus rouxinóis e salmos
Mas para os amantes, seus braços
Enlaçam as dores eternas,
Que não louvam ou remuneram
Nem dão atenção ao meu ofício ou arte.

Não entre sereno naquela noite boa que cai

(do livro In country sleep, 1952)

Não entre sereno naquela noite boa que cai,
A velhice deve arder e celebrar no limiar do dia;
Rebele-se, rebele-se contra a luz que se esvai.

Os luminares sabem que ao fim, precisa, a treva recai,
Eles, suas frases não dividiram nenhum raio que luzia,
Não entram serenos naquela noite boa que cai.

Os bons, no último aceno, sofrendo pelo brilho que vai
Luzir de suas parcas ações a dançar na verde baía,
Rebelam-se, rebelam-se contra a luz que se esvai.

Os loucos, após colher e exaltar o sol em seu voo solais,
Aprenderam, tarde, que o magoaram nessa travessia,
Não entram serenos naquela noite boa que cai.

Homens soturnos, à morte, que veem feito débeis visuais
Olhos cegos podem brilhar como meteoros e ter euforia,
Rebelam-se, rebelam-se contra a luz que se esvai.

E você, desde lá da angustiante altura, meu pai,
Amaldiçoe-me, benza-me, com pranto feroz, eu pediria.
Não entre sereno naquela noite boa que cai.
Rebele-se, rebele-se contra a luz que se esvai. 


Dylan Thomas nasceu em Swansea (País de Gales) em 1914 e morreu em Nova York (EUA) em 1953. Foi um dos poetas líricos mais influentes do século XX. Escreveu os livros de poemas Eighteen poems (1934) e The map of love (1939) e os contos de Retrato de um artista quando jovem cão (1940) e Adventures in the skin trade (1955). Além de poeta e dramaturgo, Thomas foi locutor de rádio da BBC entre 1937 e 1953. Esses programas e o modo de vida boêmio lhe renderam fama e notoriedade em sua época. 

Gilmar Leal Santos nasceu em Apucarana (PR) e vive em Maringá (PR). É poeta e tradutor. Publicou os livros de poesia Trapezista, Carmesim, Cartas poéticas e A Terra Árida — tradução do clássico poema The waste land, de T. S. Eliot. 
Recomendar esta página via e-mail: