Haicais | Domingos Pellegrini

A maçã 
exibe seu rubror 
ao sol da manhã

Contava Vó Tiana que a maçã, quando Eva colheu para Adão,
ainda não era vermelha, daí ruborizou-se de vergonha...
Mas já então se parecia com coração.

Sentir aos setenta
o sabor intenso
da fruta nos dentes

Antes dos sessenta eu comia frutas, agora degusto cada uma.
Olhava procurando enxergar (o futuro, o profundo),
agora apenas me encanto ou me espanto com o mundo.

Todas as nuvens do céu
parecem apenas
eu

Narcisismo não, só o antropismo de ver o humano em tudo.
Cada um vê em cada nuvem o que bem quer,
entretanto todos assim vendo a si mesmos.

Res pi rar
como se fosse faltar
a r

Decerto de tanto respirar disso a gente não é ciente,
embora entes antes de tudo movidos a ar. Então,
sempre que me lembro, respiro profunda-mente... 

Nuvens no horizonte
duelo de gigantes
sangue no lento céu

Na lenta luta das nuvens no poente as lutadoras não vencem,
incorporam-se nas vencidas. Foto eterniza, mas perde o movimento,
que o vídeo capta, mas perde o momento. O poente vive morrendo.

A garçaa tão à toa
toda se narcisando
no espelho da lagoa

Concurso de elegância pássara claro consagraria a garça.
Tão graciosa ao pescar quanto desengonçada ao andar mas,
quando pousa e posa na beira da lagoa, não à toa tem o que olhar.

Felicidade abrupta
vestir o vento
mastigar a fruta

Além da felicidade nas pequenices, encontro também
a felicidade do momento: vento com cheiro de florada,
o boa-tarde do sabiá, lambida de cachorro, fruta catada no mato... 

Tem nuvem que estica
que refulge e se transforma
só não tem nuvem que fica

A graça pode estar na captura do óbvio. E aqui há três “que”,
pronome expulso da poesia pela raspagem do concretismo,
entretanto tornando o haicai falável como quê.


Domingos Pellegrini nasceu e vive em Londrina (PR). Além de jornalista e cronista, é contista, romancista e poeta. É autor de obra vasta, com mais de 30 livros publicados, dentre os quais O homem vermelho (contos, 1977), Terra vermelha (romance, 1998) e Pequenices (crônica, 2014). Lançou este ano seu mais recente romance, Mulheres esmeraldas.
Recomendar esta página via e-mail: