Prêmio Paraná de Literatura | Poesia

Diálogo poético

Daniel Tozzi

Natural de Belo Horizonte (MG), Daniel Arelli, de 32 anos, é um dos autores estreantes na literatura brasileira de 2018 graças ao seu livro Lição da matéria, vencedor do Prêmio Paraná de Literatura na categoria Poesia. Doutor em Filosofia pela Universidade de Munique, ele conta que a literatura e a produção de poemas estiveram presentes em sua vida — ainda que de maneira intermitente — desde a adolescência, quando começou a rascunhar seus primeiros escritos. “Tento domar essa inconstância da minha produção transformando a escrita em um hábito regular e um exercício prático cotidiano”, explica. 

Os poemas presentes em Lição da matéria foram quase que em sua totalidade escritos no ano de 2018. Dentre os autores que Daniel lia durante o período de produção do livro, e que de alguma forma o influenciaram, ele cita os trabalhos de Paulo Henriques Britto, Nicanor Parra e Adília Lopes. Além deles, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto e Bertolt Brecht sempre inspiraram sua produção poética.

Ao escrever Lição da matéria, Arelli afirma que buscou dialogar com a tradição da poesia “antilírica, anti-subjetiva e anti-poética”, algo que sempre o interessou. “Tentei desviar um pouco o foco do ‘eu’, dos afetos e das neuroses e voltar os poemas para os objetos, espaços, e a natureza”, explica o filósofo e escritor mineiro. 

Para ele, a vitória no Prêmio Paraná foi uma grande surpresa, já que foi a primeira vez que ele se inscreveu em um concurso de poesia. “Com esta premiação me sinto mais seguro para trazer minhas produções a público.”

Leia abaixo três poemas de Lição da matéria

     Divulgação
1
Doutor em Filosofia, Daniel Arelli venceu o Prêmio Paraná de Literatura na categoria Poesia com uma obra que diaologa com diversas correntes artísticas, das artes visuais à literatura. 


A Amazonia de Villa-Lobos

a fermata era um igarapé
em que nadávamos
nus
o coda a pegada
do iauaretê
as içás em staccato
marcavam também o nosso
passo
os uirás em todas as claves
em tempo largo
a mesma tapera na volta
um bequadro
sob teu rubato
a floresta
viva
da capo

Uma frase de Novalis

O verdadeiro leitor deve ser o autor ampliado. 
Novalis

antever em toda matéria
o inconclusivo da forma
e preencher toda lacuna
com sua exata carnadura

realizar c om todo texto
uma paradoxal operação
para que toda leitura
seja também sua criação

O rinoceronte

A partir de Theodor W. Adorno

Quando enfim matarmos o último rinoceronte
dizem
não será apenas o rinoceronte a extinguir-se
não haverá tampouco uma certa espécie de moscas
que só se alimentam dos detritos do rinoceronte
e milhares de ecossistemas
que dependem daquele grande ecossistema
que é o rinoceronte
perderemos um elo vivo essencial
para a nossa compreensão dos dinossauros
não poderemos mais, como Marco Polo,
confundi-lo com um unicórnio
não teremos mais uma imagem tão precisa do medo
petrificado em armadura
etc.

Acho que estão todos certos
só não se esqueçam de dizer
que não haverá mais
a forma do rinoceronte
esta forma exata e insubstituível
que parece dizer:
eu sou um rinoceronte.


DANIEL ARELLI nasceu em Belo Horizonte, em 1986. É doutor em Filosofia pela Universidade de Munique, com uma tese sobre o conceito de materialismo. Atualmente, é pesquisador de pós-doutorado da Universidade Federal de Minas Gerais. Lição da matéria é seu primeiro livro de poemas.
Recomendar esta página via e-mail: