Perfil do Leitor: Luiz Felipe Pondé

Biblioteca pessimista

Pondé

Interessado pelo “sentimento de precariedade da vida” desde muito cedo, o filósofo, escritor e colunista da Folha de S. Paulo revela os caminhos literários que ajudaram a formular a su a linha de pensamento dita politicamente incorreta

Omar Godoy


Com ele não há meio termo, é na base do “ame ou odeie”. Autor de uma das colunas mais discutidas da imprensa brasileira (publicada às segundas-feiras no jornal Folha de S. Paulo), o escritor, professor e filósofo Luiz Felipe Pondé parece se divertir cutucando esquerdistas, feministas, ecologistas, ateus e qualquer um engajado nas causas politicamente corretas da moda. Tudo com um humor sarcástico, o que irrita ainda mais seus detratores.

Autor de vários livros, entre eles o best-seller instantâneo Guia politicamente incorreto da filosofia (2012), Pondé também é um leitor assíduo, como exige sua condição de profissional do pensamento. Um hábito que começou na infância, por influência do pai. “Cresci num ambiente completamente livre, com muitos livros. Meu pai lia vorazmente e dizia que as pessoas inteligentes se cumprimentam falando sobre os livros que estão lendo”, conta.

Os primeiros títulos, presenteados pelo pai, nada tinham de infantis. Muito pelo contrário. Aos 12 anos, ganhou uma Bíblia e a leu inteira, fascinando-se pelo personagem de Deus. Em seguida, vieram Noites brancas (Fiódor Dostoiévski) e A idade da razão (Jean-Paul Sartre). Do primeiro, gostou principalmente do desfecho — “Porque a mulher fica com o cara que a maltratava” —; do segundo, extraiu um elemento que se tornou uma de suas marcas pessoais: o pessimismo.

Começou a ler em outras línguas aos 15 anos, mas não se gaba disso. “Não gosto de afetação, de quem diz que só consegue ler no idioma original. Se você pode ler em outra língua, ótimo. Porém, você pode ler no original e ser um idiota que joga com isso. Num doutorado, deve-se ler no original. Na vida, deve-se ler, e sempre”, diz.

PondéAinda adolescente, mas já interessado pela condição humana, leu Albert Camus e teve um “grande encontro” com Sigmund Freud. A psicanálise, aliás, foi a área em que mergulhou depois de largar a faculdade de Medicina (Pondé vem de uma família de médicos, e seu filho mais velho também acabou enveredando pela profissão). Entre idas e vindas, que incluíram até uma temporada num kibutz de Israel (facilitada por sua origem judia), ele finalmente sossegou no curso de Filosofia. “Sempre fui tomado pelo sentimento de precariedade da vida. Decidi estudar os grandes filósofos para entender isso e dar nomes a esse sentimento”, explica.

Apesar de ter militado durante algum tempo no movimento estudantil, Pondé garante que não teve uma fase marxista, ao contrário de muitos de seus colegas de geração (inclusive os arrependidos que mudaram radicalmente de lado). “Claro que li Marx na faculdade de Filosofia. E reli Sartre. No entanto, o Sartre que me interessou sempre foi o existencialista, não o marxista. Também lembro de ter gostado de O que é isso companheiro?, do [Fernando] Gabeira, mas só como depoimento histórico”, afirma.

De qualquer forma, ele reconhece que alguns autores foram fundamentais em seu afastamento filosófico do pensamento esquerdista: Freud, Friedrich Nietzche e os conservadores britânicos Edmund Burke, David Hume e Michael Oakeshott, além de Santo Agostinho. “Acho o conceito de pecado melhor que o de luta de classes”, diz, sobre Agostinho. Sua lista de filósofos preferidos ainda inclui Pascal (“E sua visão do homem como um ser angustiado”) e Cioran (“Por seu pessimismo elegante”).

Questionado se existe uma corrente politicamente incorreta na literatura contemporânea, Pondé cita e elogia o inglês Theodore Darlrymple — psiquiatra, escritor e crítico da esquerda na cultura e na psicologia social — e o americano Philip Roth. “Acho que o politicamente incorreto só faz sentido como reação à mentira opressiva do politicamente correto, não como proposta de vida.”

Mas sua grande obsessão literária é o brasileiro Nelson Rodrigues, frequentemente mencionado em seus textos semanais. Não à toa, o próximo livro de Pondé, A filosofia da adúltera, vai justamente tratar do pensamento rodrigueano. “Tudo na obra dele me influenciou. Sua crítica ao moderno 'inteligentinho' e à esquerda festiva, sua leitura aguda do desejo humano, sua infinita superioridade aos seus críticos, sua visão da natureza humana nua, sua empatia verdadeira com o sofrimento humano e seu 'não' às modas do amor abstrato há humanidade”, diz.
Recomendar esta página via e-mail: