Poemas | Ronaldo Cagiano

Esbulho

Vejo os psicanalistas
com
o espiões da intimidade
não pagam pedágio
nas alfândegas do meu
    medo

É breve o seu reinado 
mas perduram 
as cicatrizes 
de tão autorizada 
intromissão

Continuam vivos
os meus fantasmas,

não há ataúde
para os meus espantos



Carnificina

Cada homem
é essa carne sem nome
entre uma bala perdida
e a destroçada esperança
na diária oficina
da violência urbana,
açougue que animaliza
o rebanho sem norte,
esperando o corte 
                 na vitrine fashion da morte
na cidade derrotada por metástases

e metáforas de sangue 
num escrutínio
                       sem sorte



Chiaroscuro

toda a minha noite é um auto de fé
            Jorge Vicente

Os dias chegavam-me,
mas nem sempre claros.

Só a noite,  
                pontual
e inequívoca,
trazia-me de longe
os seus fantasmas

Em meio aos flashes
de uma lua indecisa
na coreografia
das nuvens

uma oblíqua incerteza
dinamitava
meu espírito insular



Utensílio

     E o poema cresce tomando tudo em seu regaço. 
 E já nenhum poder destrói o poema.
    ... 
  E o poema faz-se contra o tempo e a carne. 
                                               Herberto Helder

Num poema cabe tudo:
a escrita torta da solidão
os gatos de Hemingway
os anjos de Rilke
o verme da fome corroendo os estômagos
a cólera e o espanto
a ditadura de deus
o funeral da tarde
a obediência dos rebanhos
o desacato da minha heresia
a insensibilidade dos poderosos
a agonia dos refugiados
a hediondez da corrupção
a antipoesia de auschwitz
o tiro que matou
lorca os suicídios de vargas e sándor márai
a bomba de hiroshima
o canal de suez
o maio de sessenta e oito
a primavera de praga
o discurso de martin luther king
a terceira margem do rio
os sertões que nos habitam
as guernicas contemporâneas
as baratas de kafka e de clarice
as carmens de bizet e mérimée
as metamorfoses da morte
as armadilhas do destino
a fecundidade do adeus
o contrabando da verdade
a coreografia dos danados
a arqueologia do caos
.
.
a escaldante lucidez do verbo



Tempo e barbárie

Todo conservador é um pulha
com hemorroidas no olhar
e flatos no coração: 

sua alma funerária
é assassina de sonhos



Ronaldo Cagiano é autor dos livros de poemas O Mundo Sem Explicação (2019), Os Rios de Mim (2018) e Observatório do Caos (2016), entre outros. Como contista, lançou títulos como Eles Não Moram Mais Aqui (2018) e Dicionário de Pequenas Solidões (2006). Os versos publicados pelo Cândido fazem parte de Cartografia do Abismo, ainda inédito, com lançamento previsto para 2020. 

Recomendar esta página via e-mail: